music

terça-feira, 7 de junho de 2016

Removendo a terra morta.



Ancianidade dos séculos jaz
dormitará a reles vil em uma cama morta.
Não a amei mais do que devia,
de seios nus exuberam-se sedentos,
ao horizonte a'barca rotas
canta fértil os montes a quem serviu.

Os regatos de tua juventude se acoitaram,
cerram os dentes por desejos não vindos.
E as flores líbidas não desabrocharam,
nem nas sarças silvas, há rosas sorrindo.

Por muitos anos a carne crua, se contorcia
e as maçãs de tua face nua produziam mosto.
Mas a virilidade enrijecida, se embebecia
é entregavam na o prazer de um morto.

Iracema! Porque ouriças ervas para Raul?
"Raul vem beber-me ao anoitecer!"

Talvez em suas cãs Iracema exista mais luz,
que nos segredos destas relvas rasteiras.
Se descobre crisálida, entre fracas perdeneiras 

Os tempos mudaram Iracema, Raul já é cansado
solo flácido, e culpa a terra! "Acredita?"

Talvez haja uma fonte eterna e jovem o suficiente,
para que alcance vida em outros planetas.
Acredita-se que noutros mundos temos parentes (?)

Porque deste pouco nu se viu Raul,
assim como ele a deixou.
Contra ele mesmo nu se voltou.

A gravidade arrasta os corpos,
e para o alto expulsa as almas...
Porque a culpa não é dos mortos,
mas da mão contumaz que a afaga.

Vão recolher os vestígios,
os Anjos dos lírios, 
é destes adubaram o juízo!

Como o velho carvalho de Tomaz (o contundente)
que se cansou as voltas de sua casa.

Se descalças fere, vermes infelizes
o caminhar das árvores não são de gente
"Me deixe cantar-te minhas raízes
carvalho valente!"

Oiça-me plantar versos,
Versos que se mudam -Versos que se mudam!
Durmas entoado ao sonhar com teu regresso
Versos calados -Versos calados!

Morreu o carvalho já velho mas não cansado...

Dizendo gorjeio soluçado o sabiá,
não sabia falar -nem soluçar -nem gorjear!

Por um prato sujo com sobras,
gargalha lágrimas de sabedoria o mendigo.
E o profeta na praça também tem fome,
quando diz esse nome 
"Jesus!"

Chegará a hora que todos hão de querer-te
como amigo.
Não o profeta nem a fome
mas o conselho de um mendigo. 
"E aquela luz!"  

Vi a raça livre dos prisioneiros da morte,
nas paginas deixadas,
resmungos do que temiam.

E outra quantia de vivos fracos de sorte,
que sem sequer ler já se esmoreciam...
(com a alma livre manchada)

Enquanto as olivas prenhas amamentavam seus brotos,
e o trigo selvagem franzino enfrentava o sol.
E o deserto vinha, nos roubando até mesmo as lágrimas,
é sobre amor muito pouco se ouvia, 
nas sombras excitantes recônditas dos  lençóis.

Dentro dos úteros cavernais se ouviam ecos,
o homem temia o filho vertente da terra.
Ainda assim brindavam os néscios em seus botecos
cujo vinho espoliado tinham a idade das guerras.

E cujo desejo era amplo,
nem sequer ouviam-na febril ardente,
quando vinha ao seu encontro,
a viúva de vivos, enterrar os seus valentes.

Amontoava as escuras sob vendas o que encontrava pelo caminho,
era dia reluzido nem sequer havia nuvens no céu.
E nos montões pútridos as aves defecavam,
é agarrado a mão de aurora surgiam os cominhos,
e estes eram os maiores que se encontravam.

E nós os comíamos.

Então revolveremos a este monturo a terra,
é na culpa de nossa morte encontrarmos o Orto...
E recuperarmos as futuras primaveras
velando-nos uns aos outros.


 (Lourisvaldo Lopes da Silva)
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Posts Relacionados