music

sexta-feira, 1 de julho de 2016

Dono de um vazio


O que me falta, me enriquece.
O que desejo ter, mesmo não tendo, já é meu. 
Como o mar sem dono, 
a propriedade do ser, e inerência de todos.
 

Têm uma escritura em meu nome, 
(é de uma ilha quê não existe)
 

Em um estranho -imaginário- vejo o meu melhor amigo, 
ele pensa que pensa, e eu fico me imaginando
...falta terra naquela planta?
 

Conheci alguns versos espigados,
em uma lavoura a esmo. 
O que invade as estradas, são das mãos que passam.
Apenas os passarinhos, não tem defeitos. 

Meus pensamentos, bebem d'aquelas rimas,
quê escorrem n'aquelas pedras.
Sou dono de uma horta, quê não dá nada.
Pôr tal motivo, pensavam quê eu era tolo
 

...Quando eu dizia, ter posses pediram as provas.
O meu pouco dinheiro, não compra acordo.

O quê não serve, para as pessoas
"Eu aprendi a não servir!" (A elas)


Quando me alistei, já havia passado da hora,
ainda tive tempo de sonhar com a guerra.
 

Precisei de uma louca quê se deitasse entre as estrelas.
Para me ver devolvendo o ar, e o pegando de volta.
 

O som de minhas palavras, reagiram as ofensas.
Se eu não fosse poeta, seria agressor.


Nas minhas mãos, correm trens de ferrovias imaginárias.
 

Escrevo torto, pôr andar cambaleando,
o meu mundo gira.
A mulher quê eu não tenho, não usa roupas

o paraíso está vivo nela.
 

Não existe linhas retas, para o amor.
Pôr quê se escreve certo, em linhas retas.
Mas a poesia não têm pudor,

por palavras muito certas.

Versos bons são aqueles que assanham,
provocam a realidade, e fazem acreditar
naquilo que ambos sonham.
 
Existe uma breve manhã no entardecer,
ocaso é irmão gêmeo da menina  aurora.

O amanhecer vem subindo pela minha madrugada,
para ver o sol nascer -Daqui de cima

Do alto de uma loucura, eu vi o horizonte.
Ele levava uma distancia diante de meus olhos.
E o por do sol, fugia pra'quelas bandas.
Aonde o vazio que eu tenho se perdia de vista.
Os picos das montanhas tem melhor visão, de mim.

Gosto de quem se esconde, 
e tenho apetite de gato.
Tropeço em timidez como desculpa,
quando a encontro também me acho.

Viu aquela ratinha com laço de fitas no cabelo?
Ela sabe roubar como ninguém!

Não guarde tua riqueza, na força dos firmamentos,
o que está lá fora passa a ser de mais alguém.
 
Viu o vazio que eu carrego por ai?
Me perdi dentro dele, por isso escrevo portas
estou procurando saídas, mas vivo bem por aqui.

Tenho uma arquitetura milenar a minha frente,
é obras que inspiram não podem existir.
Deve-se deixar pegadas para o nada,
só assim o espaço vai sendo preenchido.

Existe uma mina, em cada invenção
e um mundo pode surgir em cada explosão.
 


 

 (Lourisvaldo Lopes da Silva)
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Posts Relacionados