music

segunda-feira, 16 de maio de 2016

Intercalados.



Umbrosos ,
os sentimentos
se escondem.
E na distante luz do dia,
pequenos vultos,
de lembranças ferem-me! 

Por este caminho,
o esvanecer, 
passa pelo ocaso,
é na calada noite
chegar-ti-á sozinho. 

Perdeu-se entre silhuetas,
a proximidade deste meu amor.

Viste ela passar, quando dia?
"Tinha brilho nos olhos,
de tristeza!"
E estava sozinha...

"Ah, densa vontade,
que não me convence",
se este céu se firmasse
aos meu pés...

-Caminharia sobre ele!

Mas o ar engoliu as tuas pegadas...
E a saudade as redesenharam,
dentro de mim.

Vistes a minha estrela a vagar?
Por este universo estrelado,
vago triste...
Não há rastros teu sobre o mar!

Aonde vais minha lembrança?
Se não há pegadas neste céu,
destes pés afugentados!

Se minhas mãos alcançassem-te
que fosse, os teus cabelos...
Tocaria-os  mais uma vez,
é estes se lançariam sobre o meus rosto. 

E o teu perfume, me guiaria pelo teu corpo.
Ah...

"Minha amada tem desejo,
-por carinho!"

Desvelada-é por atenção.

Se eu fugir dessas sombras a encontrarei,
a luz beija-te em teu rosto,
mas nega-me a sua face,
é me provoca as sombras.

Não se misture, 
ao vinho forte é escuro,
da noite, 
solitária bebida que mais aviva,
do que cura,
 as nossas feridas.

-Ele é fermentado,
(o vinho da solidão)
é como o sol que te abraça pelo meio.
"Sentirás tanta falta de mim",
é, eu estarei envolto
 nesse desejo ébrio de ti.



 (Lourisvaldo Lopes da Silva)
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Posts Relacionados