music

terça-feira, 10 de maio de 2016

Do poente ao nascente



Quando dissipar desfez a escuridão,
o vazio, era de um homem só,
-à solidão.

Houve penumbra em meus dias,
mesmo cercado,
apenas a mim mesmo, eu me via,
entre monturos desolados.

"Quem é amor", que se sentes bem?

...Com essa falta de carinho?

Ou o orgulho afaga o suficiente,
os grandes momentos sozinho?

Existe descaso, mesmo na luz
quando enxergar, é algo que não se quer.
Não interfere em nada,
o merecer de cada qual a sua cruz,
ainda que negue com fé,
a falta da pessoa amada.
 
Não reconhecer em si,
o que sabes que precisa,
é fingir,
(nunca se realiza)

Mas amar-te me foi o farol,
a rasgar as névoas em minha noite,
nas florestas de taiga fostes os raios de sol,
duvidem os sábios, "Nunca os loucos!"

Porque fui eu o pertinaz,
que sofria calado,
[um silencio de paz],
sob um coração apaixonado!

Quem imaginava-te dia
desejava-te na noite...

Noite é dia, resumirá bem que fomos,
"Ah esse tempo régio limitador",
até que enfim nos encontramos
no crepúsculo deste nosso amor.

 
 (Lourisvaldo Lopes da Silva)
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Posts Relacionados