music

quinta-feira, 15 de setembro de 2016

Setembro Amarelo (Retornando da morte)






Não morra, ainda vivo
 renasça, como a semente
perseguindo a superfície, corra!!
  Naturalmente a lágrima seca
brotando um novo sorriso...
Se te sentes, sem vida ...Sentes
 a fadiga da alma por sombra fresca?

...É, como a ânsia incerta
dos tempos expirados,
e no fim de cada túnel não havia luz!
Portas e janelas fechadas, casa deserta,
os sonhos esperados, não realizados,
E, esperança à redentora, 
 nem mesmo tinham-na a cruz...

A maior solidão existe,
Quando todos, nos fazem sentir sozinhos...
O amigo insensível não percebe o olhar triste!
O afago é quase loucura, quando recusa carinho...

Morte em vida!!! Sensação mórbida
q'apavora a alma!
O coração inseguro adoece
As visões são turvadas com tons de cinzas
Independente de ser noite, escurece!
   
A própria vida ou a própria morte
dádiva da livre escolha doada por Deus.
Diante de sua decisão o homem se faz mais forte
por um limite de tempo, um semideus.

Ambos são seres de muita coragem
(o que escolhe viver,  
e, o que escolhe morrer)

Não é a falta do ar que decreta a inexistência
nenhum sofrimento, sabe o que vai encontrar aquém...
No fundo no fundo, lacuna revoltas vivas a sobrevivência
 A coragem de partir deixe-a! "aqui com este alguém!"

  Se tens o ímpeto bravor de ceifar-se a ti mesmo
Então tua coragem ainda não acabou
Nem completamente és feito de medo!
Talvez seja agora, a hora de recomeçar
Uma nova vida, neste corpo que vc ainda não matou!

 Dê a ele, as privações desconhecidas
Janelas abertas, ar puro...
Casa sem telhado, (deitado na grama)
Desfrutando em seu imaginário, o céu  
Como-o desejas!
 O principio de toda eternidade é a vida
E, toda vida merece conhecer o seu futuro
A alma é aliada, quando aquecida nessas chamas
Viver almejas!

Seres vivos apenas, 
"Nunca juízes de nos mesmos e nem réus!"

Uma pessoa pode renascer quantas vezes for preciso
O Renascimento, é a concepção de uma nova vida
Abraçar a si mesmo, como se fosses teu próprio filho
A perfeição, é um amontoado de tentativas...

Morrer? Hoje não...
Em um outro dia,
(mas, nunca por essas mãos)
Hoje, sofri nostalgias 
maiores vontades de viver.

 
  




(Lourisvaldo Lopes da Silva)
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Posts Relacionados