music

domingo, 25 de setembro de 2016

Quando chego, à esperança?

Talvez o limite nunca chegue
E a distancia se afaste
Quando livre voas, sonha
Sonho é como secreto desejo
 Já amei, até mesmo antes de possuir!
Sabe-se chegar antes, à esperança?

A possessão é um limite colonial
Sempre quando chego no fim
Surge um novo segredo
A vontade é insaciável
Quando sopra os ventos, fainas
   Se reviram por dentro.

 O acto en'cena congelado
As vezes penso, "Sem sequer sai do lugar"
Mas ela veio me encontrar!!!
O globo esfera gira
Prisão atmosférica, para seres alados!

    Você foi meu pedido feito ao céu
 Tive-a presteza ousada
Do objeto d'um valor,... esquecido
Que sem se mover, espera seu dono.
 "Não me chamem de coragem,
 O poeta que vês pela estrada;
Compõem na embriaguez do léu"

 "Ah!" Meu paraíso está bem ali!
Doce é a malícia insana dos puros
Meiga me encanta à audaciosa
Quando em frestas claras
Raia incondicionais promessas
Os passos que correm
Morrem no futuro.

Desejar é meu ultimo pedido   
 Sonha os insetos co'as feras
Dê-me as chaves de teu sorriso
À eternidade q'amo se exibe a minha espera

Estou cansado, ...muito cansado
O ardor que desperta à flama 
Impetuosa a busca eleva
  À noite, em ti repouso abraçado
Sem sono a alma levanta
Não existe fins para o querer que prospera...

...Hoje abracei-me com realidade 
 Tinha tudo que desejava
Até quê...Nasceu uma outra vontade
Por tudo que ainda me faltava ...

...



(Lourisvaldo Lopes da Silva)

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Posts Relacionados