music

domingo, 19 de fevereiro de 2017

Poesia Infantil (série Fazendinha) 16-20



―Memórias de um Poeta―



Carrocinha


O burro Bulengo -é- preguiçoso!
Ele gostava mesmo era das sombras
às margens do córrego moroso.

Se sente calor ele banha
Deitava na água, acreditando
ser dono do poço...

De Burro? Não tinha quase nada!
*Quando não concorda empaca* 
Passavam o dia todo esperando
"Só que ele não passava"

Cana doce e descascada ele acompanha
"Bem macia e doce até no cheiro
sendo assim, o Burro Bulengo aceitava barganhas."
Quando o compensavam, caminhava o dia inteiro. 

Passávamos antes no fundo do quintal
Na moita de cana caiana
― Só assim a gente o engana,
e vem atraindo ele pela estrada.

Debaixo da figueira
Reinava esquecida, a velha carroça

Foice velha, e Machado sem cabo
(enferrujados) observam;
― Lá vêm arte! ― Lá vêm as crianças.

E Bulengo entrava na brincadeira;

Rede vazia o vento balança
Casa de palha, palhoça
Bulengo cavalinho pequeno
Ao lado da figueira a boca adoça

"Anda logo aproveita o embalo
Pega o arreio da charrete
E joga no lombo do burro
Vamos pra roça todos juntos!"
(Gritava Pivete)

Dizem que, "Farta, à roça de leras
dormia um sono profundo enquanto o fogo ardia

E despertou em meio as cinzas...
Melancia, Abóbora e Bananeira
E viu a natureza compondo às poesias
que ao mundo todo fascina

O Burro Bulengo
Se sentia o rei da fazenda.
...Quantas caixas de frutas?
Dez ou quinze não me lembro...???
Só me lembro das aventuras
na carrocinha à caminho da venda,
como se estivesse revivendo...



L.L.S
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Posts Relacionados